GLAUCOMA, SAIBA MAIS

Dra. Lavínia Leitão Bandeira

ENDEREÇO

Av. Barão do Rio Branco, 2288
Salas 1008/1009/1010
Juiz de Fora - Minas Gerais
(32) 3212-9096 - 3215-8555 - 8813-8738

FACEBOOK

COESO by Lavinia Leitão Bandeira
www.lavinialeitaobandeira.com

O Glaucoma provoca lesão no nervo ótico.

grupo

 

O glaucoma é uma doença ocular que provoca lesão no nervo óptico e campo visual, podendo levar à cegueira. Na maioria dos casos, vem acompanhado de pressão intraocular elevada, mas pode ocorrer glaucoma de “baixa pressão”.

O Glaucoma pode ser:

  • congênito: presente no nascimento, os recém-nascidos apresentam globos oculares aumentados e córneas embaçadas. O tratamento é cirúrgico;
  • secundário: ocorre após cirurgia ocular, catarata avançada, uveítes, diabetes, traumas ou uso de corticoides;
  • crônico: costuma atingir pessoas acima de 35 anos de idade. Uma das causas pode ser obstrução do escoamento de um líquido que existe dentro do olho chamado humor aquoso. No glaucoma crônico, os sintomas costumam aparecer em fase avançada, isto é, o paciente não nota a perda de visão até vivenciar a "visão tubular", que ocorre quando há grande perda do campo visual (perda irreversível). Se a doença não for tratada, pode levar à cegueira. Por isso o exame oftalmológico anual, preventivo, é fundamental para detecção e tratamento precoce. Em geral o tratamento é realizado por meio de colírios, entretanto, caso o tratamento clínico não apresente resultados satisfatórios a cirurgia torna-se uma opção.

 

De acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS), é a maior causa de cegueira irreversível no mundo. No Brasil, estima-se que 1 a 2% da população acima de 40 anos seja portadora de glaucoma.

A lesão no nervo ótico é a principal causa do aumento da pressão interna do olho. Mas há outros fatores de risco que favorecem o aparecimento da doença, como idade avançada, hipertensão arterial, miopia alta, raça negra e genética (familiares de primeiro grau com glaucoma).
    
Sintomas, prevenção e tratamento
O glaucoma pode ser agudo ou crônico. Quando agudo, ocorre perda súbita e grave da visão, com fortes dores de cabeça, fotofobia (desconforto ao olhar a luz), enjôo, dor e vermelhidão nos olhos. Quando crônico, acontece a perda gradual da visão periférica, que é a responsável pela percepção de objetos ao nosso redor.

Mas, em muitos casos, os sintomas não aparecem, e somente o médico oftalmologista é capaz de diagnosticar a doença, através da realização de alguns exames, como a tonometria de aplanação, fundo de olho, gonioscopia e campo visual. Pessoas com história familiar de glaucoma devem visitar seu oftalmologista com frequência.

O tratamento do glaucoma é feito com colírios para redução da pressão interna dos olhos. Para os casos mais graves, pode ser realizada cirurgia ou laserterapia. Em qualquer caso, é necessário o acompanhamento do oftalmologista.

 

 

Visite oftalmologista regularmente. Para as pessoas que têm problemas de visão ou que já passaram dos 40 anos, o ideal é a cada seis meses.
Os cuidados em relação à televisão e, principalmente, ao uso continuado de computadores, são muito importantes.
Quem usa lentes de contato deve dar atenção especial à limpeza das lentes e ao uso continuado dentro dos prazos estabelecidos.